14/09/2017
Logo, logotipo ou logomarca?

Logo, logotipo ou logomarca?

Mas é logo, logotipo ou logomarca? Essa é uma dúvida que deixa muitas pessoas com medo de errar. Afinal, é errado falar “logomarca”? É a mesma coisa que logotipo ou os dois estão certos e significam coisas diferentes?
O dicionário ajuda, mas nem tanto: a palavra logomarca, por exemplo, consta em nosso dicionário, porém, não é adotada em nenhuma outra parte do mundo, ao contrário de logo, marca ou logotipo — o que aumenta ainda mais a confusão que existe até entre os profissionais da área. É adequado utilizá-la?
Mesmo que a nossa língua pátria nos diga que usar as palavras logo, logotipo ou logomarca estão certas e significam praticamente a mesma coisa, há aqueles profissionais da área de comunicação que condenam a palavra logomarca e aquelas que defendem que seu uso é legítimo, afirmando, inclusive, que existem diferenças básicas entre logotipo e logomarca.
 

Afinal, Logotipo ou logomarca?

O que é um logotipo? Um passo atrás para entender melhor

Segundo o Dicionário Online de Português, a definição para logotipo é:
s.m. Grupo de letras, abreviações etc., fundidas em um bloco único para acelerar a composição tipográfica. Desenho característico de determinada instituição, marca comercial ou de um anunciante, usado para identificá-los em impressos, anúncios de propaganda etc.
Em grego, “logos” quer dizer significado, conceito. Já “typos”, quer dizer símbolo ou figura. Assim, a palavra logotipo quer dizer “símbolo visível de um conceito”. Assim, o conceito apresentado pelo cliente ou desenvolvido pela agência é o logo, e o símbolo gráfico feito a partir dele é o tipo.
Logotipo é o termo mais defendido e adotado como “correto” pelos os profissionais da área.
Há também a noção de que logotipo seria a forma escrita, e padronizada, da marca da empresa, como observamos na marca do Google, Microsoft ou Coca-Cola. Nesse caso, o logotipo não representa o conjunto de “nome da marca + símbolo”, equivalendo ao arranjo de letras e forma de escrita que distingue o nome da marca, relacionado a sua tipografia ou lettering — conceitos de design para a combinação ou criação de formas de letras.
Um dos argumentos para defender essa ideia é de que o logotipo é o nome fantasia da empresae pode ser registrado no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) como uma marca.
O que a maioria dos profissionais da área concorda é que o logotipo pode ser apenas uma representação gráfica, como o nome da empresa desenhado de forma que mostre o conceito, ou a parte gráfica com as letras, tudo junto.

Por que dizer que logomarca é um erro?

O significado de logomarca, segundo o Dicionário Online de Português:
s.f. Reunião de algumas informações importantes como o nome de uma marca, com o intuito de destacá-la através de letras específicas ou outros atrativos gráficos, para torná-la um símbolo visual capaz de caracterizar e representar um produto, uma empresa etc.
(Etm.logo + marca).
Apesar de criticado, o termo logomarca tem sido utilizado entre os profissionais da comunicação e design para se referir ao logotipo. Então, Logotipo ou logomarca? Qual o correto?
Atualmente, quem defende esse neologismo costuma justificar a legitimidade do termo afirmando que logomarca é a junção do símbolo que representa a empresa e seu nome, como podemos observar em marcas como a do McDonald’s, que é formada pelos arcos amarelos e assinada com o nome do fast food.
Pode fazer sentido, mas ainda é preciso entender a etimologia da palavra. O termo é formado pela união de “logo” e “marca”. Como já observamos, “logo” vem do grego e significa conceito, significado. Já “marca” vem do germânico “marka” e traduz-se como significado. Assim, a palavra logomarca seria um termo redundante: significado do significado.
Existem os que condenam quem fala logomarca e também aqueles que “confundem” os termos, e é muito difícil dizer quem está certo e quem está errado, se até a língua portuguesa adota as duas terminologias. A verdade é que o termo já se popularizou entre profissionais da área e hoje é muito utilizado, sendo compreendido e aceito por muitos. No final das contas, o que importa mesmo é resolver o problema na comunicação do cliente com profissionalismo.

É correto usar apenas “logo”?

Geralmente, a utilização do termo “logo” pode ser uma abreviação tanto de logomarca como de logotipo, variando o artigo empregado. Se você disser “o logo”, está se referindo ao logotipo. Mas se disser “a logo”, no feminino, a referência é a logomarca.
Não há problema algum em abreviar esses termos, muitas pessoas até preferem por não saberem qual terminologia é correta. Porém, esse termo é mais informal, e dependendo da ocasião, utilizar a terminologia completa é o mais indicado.

É errado falar “marca”?

A marca tem um significado abrangente, que vai além de uma representação gráfica. Ela é a essência da empresa, um conceito que fica dentro do imaginário das pessoas. Por exemplo, ao falar da Nike provavelmente veio a sua cabeça memórias e emoções relacionadas à prática de esportes, saúde e movimentação. Já com a Apple você provavelmente pensou em tecnologia de ponta e sofisticação. Pois é exatamente essa imagem que essas empresas desejam passar através da marca.
Portando, utilizar o termo “marca” para se referir ao Logotipo ou logomarca não é adequado, pois, embora a representação gráfica faça parte da construção de uma marca, seu significado é muito mais abrangente, não se limitando a um desenho, mas também toda a cultura e emoções relacionadas à empresa.

Qual o real valor dessa discussão entre logotipo ou logomarca?

Muito se discute a respeito da correta utilização das terminologias, mas a questão que fica é: isso é realmente importante? Existem muitos profissionais que realmente levam essa questão a sério, defendendo que é o dever de qualquer profissional saber qual é a utilização correta das terminologias de sua área de atuação. Porém, a questão se resume ao âmbito profissional, e um cliente mais leigo no assunto tem todo o direito de utilizar a terminologia que quiser, afinal, se não há um consenso nem mesmo entre os profissionais da área.
No geral, dificilmente a utilização qualquer um desses termos fará alguma real diferença no dia a dia de alguém, ficando a critério de cada um analisar o significado de cada termo e seu contexto para decidir em qual dos termos investir.
Logo, logotipo ou logomarca? Não importa. Todos os termos hoje são usados para representar a mesma coisa e os três já se tornaram extremamente populares, sendo utilizados constantemente. Avalie como as pessoas utilizam esses nomes no ambiente em que você trabalha e adeque-se a ele.
No entanto, não se esqueça: mais importante que saber a diferença entre logo, logotipo ou logomarca é não deixar o seu negócio sem ter um (ou uma, se preferir assim) logo. E o que não falta são motivos para isso.

Por que o seu negócio precisa ter um logo?

Bem, até agora falamos bastante sobre a diferença entre logotipo e logomarca, mas não explicamos qual é a importância do logotipo tem para o seu negócio, não é mesmo? Pois então, o fato é que ter um logo ajuda a melhorar a percepção que as pessoas e o próprio mercado têm da sua empresa, destacando-a perante os concorrentes. Mas, para deixar esses pontos mais claros, vamos analisar estes e outros aspectos.

1. Credibilidade

Não é preciso ser um baita designer para saber diferenciar um logo feito com cuidado de outro feito pelo “sobrinho”, de qualquer jeito. E aí fica muito fácil para o consumidor associar o cuidado que um negócio tem para com a marca com o cuidado que ele pode ter com seus produtos ou serviços.
Por isso, ter um bom logo ajuda a passar credibilidade para o público, fazendo com que ele confie ainda mais naquela empresa, principalmente, em uma primeira compra.

2. Investimentos

Se você é dono de uma startup e sonha e encontrar aquele investimento, saiba que ter um bom logotipo pode ser bem útil até mesmo para encontrar esse capital. E o motivo é simples: quando uma empresa apresenta, além de números, um pacote de marketing completo — com uma sólida identidade visual —, fica mais fácil atrair a atenção de investidores que buscam apostar naqueles negócios que pareçam ser mais consistentes.

3. Memorização do público

13 milissegundos: esse é o tempo que seu cérebro leva para interpretar algum tipo de imagem, de acordo com alguns estudos. E não é só para interpretação a jato que servem as imagens.
Estima-se que nós nos lembremos de fotos, gravuras e desenhos até 30% mais do que nos lembramos de algo que só tenhamos ouvido falar ou lido. Por isso, apostar em um logo marcante também é essencial para que o público faça uma associação mais rápida com o produto.

4. Diferenciação no mercado

Outro bom motivo para o seu negócio investir em um logotipo tem a ver com a diferenciação que ele pode ter para com a concorrência.
Tenha em mente que ao criar um bom logo, que traduza o espírito do seu negócio e do seu produto, pode fazer com que ele seja melhor avaliado perante os outros presentes. Por isso, ter uma marca de confiança pode sim, ser um diferencial de mercado.

E como um logotipo é criado?

Para entender como criar um logotipo ou logomarca, como preferir, é preciso saber que a criação de um logotipo costuma seguir um padrão na maioria das empresas especializadas. Esse padrão envolve algumas etapas básicas, onde o cliente só precisa preencher um briefing e aprovar as propostas que receber. O preenchimento do briefing à entrega do logotipo podem levar de poucos dias até semanas, variando muito de empresa para empresa.
O processo consiste nos seguintes passos:

1. Briefing

O briefing é o documento onde o cliente coloca todas as informações relevantes referentes ao projeto, como:
o    Breve histórico da empresa;
o    Informações sobre o produto ou serviço;
o    O que a marca deve passar;
o    Publico alvo;
o    Preferências de cores.
Essas informações ajudam o profissional a compreender melhor o que precisa ser feito, auxiliando na construção do conceito.

2. Pesquisa

Entendendo a ideia principal, os profissionais passam então a realizar pesquisas, buscando referências em empresas do mesmo segmento, coletando informações e aprendendo o máximo possível sobre o universo do cliente.

3. Conceito

Em posse de todas essas informações, o designer começa a trabalhar no conceito da arte, ou seja, na melhor maneira de fazer com que o logotipo transmita tudo o que o cliente deseja.

4. Desenvolvimento

Essa é o momento em que o profissional coloca toda a teoria em prática. Assim, são feitos diversos rascunhos que vão sendo refinados até chegar a uma versão que possa ser apresentada ao cliente. Esse trabalho pode demorar poucas horas ou até alguns dias, dependendo do designer e também do prazo combinado com a empresa e o cliente.

5. Analise e aprovação

Com a finalização do logotipo, ele é enviado para a aprovação do cliente, que pode solicitar ajustes. Geralmente, o logotipo formulado vem acompanhado de algumas opções e variações para que o cliente escolha a que mais se aproxima do que deseja. Dependendo da empresa, existe uma quantidade limitada de ajustes que podem ser solicitados.
Como você viu, não importa como você o chama, logo, logotipo ou logomarca: o importante é fazer com cuidado e seguindo as melhores práticas do mercado.
 
Esperamos que esse artigo tenha lhe ajudado!

Av. Sampaio Vidal, 241-A Marilia/SP - CEP 17501-181

(14) 3221-9346 / (14) 9.9883.9168

contato@kingmarketing.com.br